FISSURAS

Outubro 22 2009

 

991 395 habitante numa só cidade. A pergunta que se insurge é, a título de exemplo, esta: mas que cidade detém tal quantificação populacional? Pertencente ao Estado Federal Alemão, Colónia arrebata a estatística. Mas não é só isso que Colónia arrebata: são passos despidos de discórdia, é gente pelo labirinto das ruas por visitar (tantas que se perdem umas às outras), é o dia tão curto para a conhecer, e, (ah, aflição!), ela mesma pronta a ser absorvida, e o tempo esgotando-se, assim, desprendido de nós. Esta é uma das coisas que sempre gostei de cidades como Colónia: lá as coisas são maiores do que as pessoas. Quando menos se está à espera, cai-se na vontade de atirar os panfletos informativos ao ar e ir, sem rumo certo, conhecer a história das coisas, contada por elas próprias. A catedral de Dom, simbolo da arte gótica, é exemplo perfeito desse fenómeno: a monumentalidade que nos cilindra constitui, por si só, um anestesiante sensorial.

 

 

 Mas mais do que essa característica que a torna um alvo turístico por excelência ( perde-se o rosto aos turistas que entram e saiem, numa roda viva permanente), é a história que ela deixa em aberto, o motivo pelo qual nos recompomos e avançamos. Qual livro por desfolhar, as páginas que deixa suspensas estão no seu interior, este, igualmente magnânime. O tempo idoso que a Dom invoca deixa antever as inesgotáveis vezes que ela viu crescer a cidade. Viu ruas nascerem, lojas e cafés abrindo, mercados em alvoroço, pessoas de um lado para o outro, as mesmas lojas e cafés fechando, outras abrindo nos mesmos lugares. A cidade transformou-se e Dom sempre a acompanhou desde que, há pouco menos de mil anos, se viu edificada. Quando a segunda guerra mundial a interpelou, Dom, tal como a cidade, resistiu. O fogo entrou no seu interior e parte da catedral acabou destruída. A cor enegrecida de que se reveste é rasto desse encontro sinuoso entre a guerra e a cultura, história sem a qual Dom, inevitavelmente, não teria o mesmo encanto. Porque é esse misticismo da dor vencida, da mágoa de se ter visto despojada de forças, e, simultaneamente, do orgulho na cura da ferida, que nos faz abrir e fechar o queixo, uma e outra vez. Dias e dias correm à frente da catedral e ela a tudo resiste, austera, infalível às marcas do tempo. Astro em torno do qual toda a Colónia gravita, é símbolo da resistência alemã. Para além das suas portas, está a história que nunca se deixa calar. Quem a vê uma vez, nunca mais a esquece.

 
 

 

publicado por Catarina Pinho às 00:38
Tags:

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
23
24

25
26
27
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO