FISSURAS

Junho 18 2010

 

 

Memorial. Os olhos prescrutantes, o tom sereno. Solene. Ponderado no agir, aberto no falar. Acusado de rispidez, de apátrida: que fosse, dizia o que tinha a dizer. Liberdade de pensamento à flor da pele. Não precisava de regras: as regras, se dele precisassem, que o chamassem. Porque o texto não tem de ser todo igual; porque a ortografia que se remexe vai-se alterando e da alteração faz-se um português coerentemente seu: Saramago. Incontornavelmente, único. Morreu a palavra autêntica. Resta, agora, no convento de deuses da língua, um novo memorial.

publicado por Catarina Pinho às 14:30
Tags:

Obrigado, Tiago
Jogos de Carros a 28 de Abril de 2011 às 18:44

Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


pesquisar
 
blogs SAPO